sábado, 31 de dezembro de 2011

A Mais Terrível de Todas as Drogas



O homem que lê, que pensa, que espera, que se dedica à flânerie, pertence, do mesmo modo que o fumador de ópio, o sonhador e o ébrio, à galeria dos iluminados. E são iluminados mais profanos. Para não falar da mais terrível de todas as drogas_ nós mesmos_ que tomamos quando estamos sós. (Walter Benjamin, Magia e Técnica, Arte e Política, p.33)

10 comentários:

  1. Como já se sabe e está escrito
    “Tudo tem seu tempo devido”.
    Então…


    A HORA ERRADA
    by Ramiro Conceição



    Sou um ser, bêbado do humano, que
    malfeito ou bem-feito refaz a estrada.
    Meu tropeço é o preço da caminhada.
    O mais importante é viver a hora errada
    porque o morrer adora… a hora exata.

    ResponderExcluir
  2. Estou lendo a biografia de Hitler escrita por Joachim Fest. Acredite em mim: ninguém se dedicou mais à flânerie do que ele. Então, melhor rever esses conceitos.

    (ahhh, essa tendência irresistível de ser do contra!)

    ResponderExcluir
  3. estou lendo Além do bem e do mal. se eu fosse um cara minimamente organizado tinha sublinhado muitas passagens já nessas primeiras 50 páginas. se tu é leitor voraz de livros, a minha droga agora é lembrar de ti qdo leio um. nietzsche ñ usa essa palavra, mas uma certa IMPERMEABILIDADE no exercício do pensamento, q ele tanto evoca, eu seguidamente encontro aqui. suponho q tenha lido mto ele, um dia ainda hei de ver um post sobre o bigodudo. ñ conheco melhor ironia q a dele. gosto mto da tua. as pessoas têm q ter algum humor, afinal.

    ResponderExcluir
  4. Caminhante, sempre do contra mesmo, o que eu adoro. Talvez casos como o do Hitler se expliquem pelos matizes sutis da última sentença.

    ResponderExcluir
  5. Pô, obrigado, arbo. Eu sublinho todos os meus livros de alto a baixo. Vou pela observação de que uma parte perdida em um livro tem a chance de jamais ser encontrada novamente. De forma que dificilmente eu pego livros emprestados para ler_ como sublinhá-los?

    Li grande parte da obra do Niet (e até hoje não sei escrever o nome dele sem consulta), e o acho fabuloso, dono de um estilo e de um ódio sinfônico bombástico. Não sei se vc leu o História da Filosofia, do Bertrand Russel, em que ele faz um retrato bastante contundente e relevante da importância desse filósofo: sua "doutrina" é caótica e impraticável, mas na força de seu caos é que mora seu potencial libertador. Há muito não o releio. Leitura perigosa na adolescência. Quando eu fazia jornalismo, havia um discípulo maluco do cara, que conseguiu até ter ele próprio em seguidor.

    ResponderExcluir
  6. Caminhante, arbo, Ramiro (belo poema!), e os demais amigos do blog: um feliz ano novo, muita paz, equilíbrio e saúde. Sinceramente.

    ResponderExcluir
  7. "sempre do contra mesmo, o que eu adoro" - ownnn!
    Feliz ano novo pra você, pra Dani, pro menino, pra menina, pro peru e pra todos os que você ama!

    ResponderExcluir
  8. Já viu isso, Charlles:

    http://www.youtube.com/watch?v=c2lL96-ixC0

    Rodrigo

    ResponderExcluir
  9. Rodrigo, eu havia assistido quando passou na Cultura. O cara é frenético pra falar, né?

    Abraço.

    ResponderExcluir