terça-feira, 24 de maio de 2016

Sem chance para a Netflix


19 comentários:

  1. Ramiro Conceiçāo24 de maio de 2016 11:17

    O lanche acima terá duração de 1 a 2 meses?
    Senhor Charlles, você é um daqueles que lê no banheiro?
    O senhor dorme?
    Tenho duas perguntas envergonhadas:
    quantas vezes na semana o senhor...?
    Aliás,o senhor...?

    ResponderExcluir
  2. Dá perfeitamente para conciliar tudo. Média de 100 p. por dia, ter uma profissão técnica que fornece horas de ócio, viver em uma cidade em que não perco tempo com trânsito e filas, e gostar muito seletivamente de tv e net.

    ResponderExcluir
  3. Pagou uma pequena fortuna pelo homem revoltado?

    ResponderExcluir
  4. Esse livro do Bioy é charmoso.

    ResponderExcluir
  5. Ostentação em altíssimo nível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma viagem maravilhosa. Serotonina em altíssimas doses. Minhas pedras de crack. Desses da foto já li todos do Kertész, dois do Mishima, li há décadas os dois Faulkner, o Tolstói, estou lendo o Camus e a Svetlana, li vários ensaios do Gray e do Judt. Os sobre Marighella e do Perec são desses sem previsão de leitura, podem acontecer por combustão espontânea ou daqui 5 anos.

      Excluir
    2. O Bioy é para ocasião especial incerta, uma cereja do bolo. Mas será para breve pois o interesse é muito.

      Excluir
    3. Reparei que o livro do Bioy, está em promoção na cultura, por trinta e poucos reais.

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Charlles, você soube que a escritora coreana( não sei o nome dela) ganhou o booker prize desse ano?
    Mas o que me chamou a atenção é que já existia uma tradução brasileira do livro, e tradução feita direta do coreano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estava o Raduan Nassar na disputa! Eu não sabia, só vi agora.

      Excluir
  8. João Antonio Guerra24 de maio de 2016 15:42

    Babando aqui, mas bora participar da ostentação.

    Contos Completos do Alberto Mussa, que devorei em três dias, tudo excelente tirando as últimas duas estórias, punhetinhas machadianas que até que agradam, como toda punheta, mas tem a culpa depois: ao invés de ler Machado eu tava lendo isso aqui.

    Cine Privê do Antonio Carlos Viana, tudo enxugado até o osso como o autor diz.

    O beijo na nuca, Dalton Trevisan me decepcionando.

    Caminho como uma casa em chamas, do Lobo Antunes, que uma amiga me trouxe direto de Portugal (junto com uma edição linda do Ensaio sobre a Cegueira). Charlles, dá uma chance pra produção recente do velho. Eu tô feliz da vida aqui com esse Lobo Antunes, quase engoli o livro assim que ele chegou e no momento estou relendo por puro prazer.

    No kindle quatro Kertész, mais o Zero K que é o novo do Don Delillo e é bom demais, e por enquanto só li ele mais o Fiasco -- Kertész é isso tudo mesmo, num mexo num miligrama da admiração do Charlles. Mas afinal de contas ostentação de ebook vale?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho grande admiração pelo Lobo Antunes, mas agora, nesse exato momento_ e creio que pelos próximos meses_ estou numa vibe diferente.

      Desses da foto, se tivesse que indicar um, eu apontaria sem receio para "Eu, um outro", do Kertész, que é uma das mais belas, profundas e verdadeiras leituras que já fiz na vida. E a vantagem é que só se pode encontrar pela EV, ainda por, 17,90. Um livro devastador!

      Excluir
  9. Putz, Charlles!! Isso é para matar qualquer indivíduo médio do coração. És um sujeito afortunado! A disposição, o regalo, a tara me invade; uma inclinação profunda para te acompanhar em projeto tão necessário. Mas, por exemplo, hoje estou imprestável. Trabalho em excesso! E tem sido assim nas últimas semanas. Desaqueci completamente. Abandonei a dolorosa e humana Svetlana e o cínico Cabrera Infante; deixei de lado o Jack London, Arthur Schnitzler e Kosztolányi. Ao ver essa pilha babelicamente ostentatória, ainda são introduzidas novas indicações. (Respiro!) Essa minha condição de proletário é triste! Uma sensação de impotência me invade por completo. Estou qual Sísifo ao ver que a pedra rolou mais uma vez. Desçamos para novamente subir. Um grande abraço - e obrigado pelas indicações!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como escreve a Sontag, Carlinus, a arte é uma técnica de concentração. Eu não leio em exagero. Duas horas por dia, religiosamente, durante a semana, o que equivale, para meu fôlego, a 100 páginas. Nos finais de semana eu leio mais_ li, neste último, Narrativas do espólio, do Kafka. Caminho todos os dias de 5 a 10 quilômetros, passeio com meus filhos, às vezes vou à casa de amigos, etc, e leio por duas horas. Não é nada assustador. E quanto ao preço desses livros_ uma parte considerável comprada por mixaria na Estante Virtual_, nós leitores sabemos que a Amazon torna a aquisição bastante possível (ainda mais agora, que parcela em duas vezes pelo cartão).

      Excluir
  10. Olhar pra essa pilha e lembrar daquele Perec comprado em 2013 e nunca lido...

    Ana Paula Rocha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo que me parece, esse meu Perec vai demorar desencalhar também.

      Excluir