sábado, 27 de junho de 2015

Novos livros



Através da parceria deste blog com a Companhia das Letras, pedi os dois livros da foto aí de cima. Como meu e-mail com a solicitação não foi respondido, e fazia um mês que eu averiguava todos os dias minha caixa postal sem sucesso, comprei Zona de interesse pela Amazon. A Amazon informava que a primeira remessa deste livro estava esgotada, e devido a isso, demoraria um pouco mais para que eles enviassem meu exemplar. Fiquei um pouco decepcionado com a previsão da espera, mas um tanto feliz por um livro de Martin Amis estar esgotado em uma empresa do porte da Amazon. Por uma incrível coincidência, os dois pacotes chegaram no mesmo dia, nesta semana. E foi mais proveitosa a coincidência por ser eu a conferir a caixa postal_ já que, a maior parte das vezes, é a Dani quem o faz, aproveitando da gravidez para exercer o privilégio de enfrentar uma fila bem menor que a usual. Se a Dani tivesse recebido os pacotes, eu estaria com dois exemplares do Amis, porque tanto ela quanto eu não esperávamos mais que os livros pela parceria chegariam (cheguei a cogitar um sorteio no blog, mas as taxas de remessa pelos correios são muito caras, o que passaria do preço pago pelo livro na Amazon). Recusei a entrega da Amazon, e voltei radiante com os livros para casa.

Eu sou um aficionado por Martin Amis. Trata-se de diversão com QI elevado; entretenimento de primeira com alto grau estético. Martin Amis é o mais próximo que as letras conseguiram chegar de um escritor rock-star. Ele é uma mistura de Mick Jagger, Nabokov, William Burroughs e Robert Fripp; sabe dominar com exímia maestria o popular e ser um erudito cerebral convincente. Entre Martin Amis e Ian McEwan, seu páreo rival, eu sou da turma que gosta bem mais de Amis. Seus romances tem toda aquela empáfia do escritor maldito petulante que se acha um gênio_ o que, em boas mãos, é parte indispensável da literatura_, tem frases curtas elétricas cheias de ginga, e mais um tanto. Já disse aqui uma vez que Amis nunca escreveu um grande romance. Eu disse isso em minha resenha a seu último romance lançado no mercado brasileiro, Lionel Asbo, e lembro que percebi a maturidade do escritor ao evidenciar uma auto-crítica descansada de que seu propósito não era mais a de escrever uma obra-prima. Seu propósito passou a ser o de se divertir com seu enorme talento, produzindo uma espécie de corpo único magistral de escrita em que o principal era o virtuosismo da voz de seu autor. Essa inteligência de Amis suplantou de vez Ian McEwan; este último, a cada novo romance, vem se mostrando mais insosso e sem inspiração, em sua ânsia por invadir o cânone da alta literatura pensando que mais vale a grife de seu nome do que o valor real de seus livros chatíssimos. Amis, pelo contrário, abraçou de vez e sem a mínima vergonha sua posição relativa à sombra de Nabokov: em cada livro novo, ele ousa sair de sua zona confortável de autor celebrado (que, à maneira de McEwan, qualquer coisa lançada teria automaticamente uma louvação sintética da mídia) e ir além, sendo contundente, debochado, afiado e astuto, sem dar a mínima se está agradando e sem o mínimo respeito pelo que esperam que ele faça. Um exemplo de seu deboche sofisticado é a escolha de todo um enredo de suspense e crítica social à violência começar, em Lionel Asbo, com o incesto do narrador da trama com sua avó. Por isso, pela sua não-contenção, os últimos livros de Amis continuam sendo ótimos e anarquicamente divertidos, em sua tentativa sincera em impregnar de autenticidade essa nossa época carregada de boçalidades de todos gêneros e tipos, enquanto os últimos lançamentos de McEwan são pastiches triviais de sitcom em que o autor pede respeito à sua posição de senhor acavalado na poltrona de couro de seu escritório.

Tenho um amigo, grande leitor, que tem a para mim incompreensível atitude de ler coisas como Dan Brown e Paulo Coelho (!!!), alegando que é leitura para descansar. Nunca soube o que é isso, pois Hanna Arendt, Saul Bellow e William Faulkner sempre foram extremamente divertidos e adstringentes para mim, enquanto o único livro que consegui ler por inteiro de Coelho foi um tour de force que me custou dois meses de martírio_ e eu nunca consegui ler Dan Brown, apesar de nada ser pior que Coelho, e apesar de eu me dar bem com outros best-sellers. O máximo que suponho chegar próximo do entendimento do que esse amigo quis dizer é com um livro de Martin Amis. Vou terminar A vítima, segundo romance de Bellow, e começar a ler A zona de interesse.

P.S.: sobre A vítima, J. M. Coetzee escreve em um ensaio que é um livro repudiado injustamente por Bellow, talvez, continua Coetzee, por um excesso de modéstia por parte do autor de Herzog. Enquanto para Bellow se tratava apenas de um exercício de aquecimento para saber se um judeu como ele estava apto para conquistar o mundo, para Coetzee é um romance mais coerente e bem engendrado do que Augie March, e um exemplo do quanto Bellow se aproximou da qualidade dos questionamentos morais de Dostoiévski.

14 comentários:

  1. O rock-star das letras pra mim sempre foi Byron.

    Sobre best-sellers, li esta semana um autor improvável em minha lista, Stephen King. Apesar de gostar de alguns dos filmes baseados em obras suas, nunca tive interesse em ler nada dele, até descobrir Sobre a Escrita, que vai na contramão do mais que ele produziu. Achei sensacional - é impressionante a lucidez que ele tem sobre sua atividade e o estoicismo com que lida com críticos venenosos. Quer queira quer não, se trata de uma das figuras centrais da cultura POP norte-americana. Além do mais, esse que li é uma delícia. Eu não sabia que ele escrevia tão bem. Agora estou doido pra ler Quatro Estações e A Dança da Morte.

    Ah, estou gostando de A amiga genial, de Elena Ferrante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou querendo muito ler Sobre escrita. Li Quatro estações, assim como outros 19 livros do King antes de meus 25 anos, e este é um dos melhores. Me impressionei muito com Zona morta, que também é ótimo. Ele tem um outro livro que mistura auto-biografia com ensaio literário, que se chama Dança macabra, que também foi um dos meus livros de cabeceira da minha juventude. Dança da morte é um dos dez melhores livros que o David Wallace já leu, mas esse ainda não encarei. Tenho receio de que, após tanto tempo, eu veja como uma absurda ingenuidade de minha vida precoce de leitor. Por isso, ao mesmo tempo, desejo voltar a King, ao menos como contraprova.

      Mas King está bem acima do best-seller comum. Eu realmente penso que a posteridade vai canonizar o cara.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Sobre o King depois que eu li "a coisa", nunca mais tive coragem de ler mais nada dele, de longe o pior livro que eu li na minha vida(e eu já li Paulo Coelho), muito arrastado, parecia um roteiro para cinema. Eu sempre ouço falar desse livro de contos "quatro estações", que se algum dia eu cometesse a loucura de ler algo dele novamente seria minha escolha, já esse "sobre a escrita", é aquela velha história faça assim, faça assado, mas as obras dele estão longe de seguir os "ensinamentos" ditados por ele, mas talvez seja exagero de minha parte, ainda mais que eu só li um único livro dele, mas o trauma ficou e não devo perde-lo.

      Excluir
    4. Li A coisa e não gostei. Recordo que, já no final do livro, King se viu em uma sinuca de bico para atar todas as pontas das mil páginas e fazer com que houvesse um clímax conveniente, daí ele coloca antes da conclusão um capítulo esdrúxulo de sexo entre os meninos e a menina (personagens principais) nos canos do sistema de esgoto da cidade. Tipo: a história tá fraca demais, deixa eu escandalizar para a acordar o leitor e fazer um choque térmico que dê vigor à resolução.

      Os livros de King com menos de 400 páginas são os melhores, pelo que me lembro. Os autores do mercado de best-sellers americanos ganham por palavras, daí toda a caudalosidade.

      Excluir
  2. E sobre o novo de Karl Ove nenhuma palavra?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Li o primeiro, e a leitura do segundo está agendada.

      Excluir
  3. Tiago, mais da metade de Sobre a escrita são memórias - infância, alcoolismo, acidente. A parte sobre a escrita mesmo está mais para "é assim que eu faço" que para "faça assim". Não tenho vontade de ler A Coisa.

    Andam comparando muito Knausgard com Ferrante, por isso mencionei acima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há que se fazer uma ressalva urgente em relação a essa gente que compara Knausgard com Proust, pois já está se chegando a disparates como "qual dos dois é o melhor". Knausgard é bom, mas está muitíssimo distante da sublimidade de Proust. Não há nenhuma outra base de comparação além da usada pelo jogo marqueteiro de que ambas as obras, de Proust e Knausgard, são longos volumes de memória desencadeada. Só.

      Excluir
    2. Gostei bastante dos dois primeiros, lidos na versão e-book. E quando gosto muito do livro acabo ficando também com a versão impressa. Gostei tanto que comprei os dois e dei de presente, sendo que na hora de entregar fiquei com dó de entregar rss. Também acredito que não há como comparar com Proust, embora apenas tenha lido o nº 2 do francês.

      Excluir
  4. Os números de livros dele vendidos na Noruega são impressionante, foram 500 mil exemplares numa população de 5 milhões de habitantes, o que equivale a 10% da população.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. [tu falou Robert Fripp; não digo q é coincidência pq já linkei essa música um par de vezes aqui, mas faz só algumas horas tive o seguinte DIÁLOGO com meu pai por email:
    (eu) - Pai, tava ouvindo e pensando, como o homem, o ser humano mesmo, foi capaz de fazer essa música?
    https://www.youtube.com/watch?v=WWtOz7GVxJM&index=1&list=RDWWtOz7GVxJM
    Boa semana!
    (ele) É linda né, uma obra prima.
    Essa musica o Nicola [um grande amigo do pai] também adora, mas caiu na bobagem de dizer numa pescaria que queria “ser enterrado” ouvindo ela. Aí tu já viu."
    hahahahahaha]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Linda mesmo. Minha preferida deles é Formentera Lady, mas quase todas as versões ao vivo deles é fenomenal.

      Excluir