quarta-feira, 15 de abril de 2015

Sem título e sem foto, como uma tarja

Estamos em um momento terrível da história brasileira, um momento em que TEMOS que abrir os olhos e nos unir, colocarmos de lado esse partidarismo tosco que também é mais uma das armas usadas pelos poderosos para nos dividir, e tomarmos frente da situação. Eu sempre disse que esse futebolismo partidário é a melhor das maneiras deles manterem o povo idiotizado e em guerras mentais estúpidas internas. A mais poderosa e fácil arma para promover a desavença e as brigas nas arquibancadas da torcida. Precisou que o Brasil chegasse lamentavelmente a este nível, ao mais baixo e nefasto nível de indigência total em todas as instâncias nacionais em muitas décadas, para que a venda fosse nos tirada dos olhos, para vermos que estávamos em uma rixa de galinheiro a bel comando dos “heróis” e “santos” nacionais, e que as vítimas eram nós mesmos, absolutamente solitários e in-governados e roubados por todos os lados. Chegou a hora, urgente, emergencial, de falarmos por nós mesmos, com alguma voz própria arranjada à força, porque a barco está afundando. Eu presto consultoria veterinária em algumas empresas de produtos derivados de carne e a crise está grassando a uma velocidade assustadora. A maior parte delas reduziu a produção em MAIS DA METADE, não tenho dados estatísticos e números precisos, mas a experiência pontual. Supermercados vazios, um a cada três casas financiadas sendo apreendidas por falta de pagamento, uma quebradeira geral, e apenas o caos não se instalou de todo porque estamos passando por aquele prólogo suspensivo que precede toda grande tragédia ou acidente natural. E o esquema é tão espúrio, tão bestial, nossos pecados a serem pagos por anos de idiotice em acreditarmos nas estatísticas de crescimento baseadas em liberação irresponsável e irrestrita de crédito sendo tão pesados, que a situação de precarização financeira traz de roldo essa nova manobra política para retroceder ainda mais o Brasil. Será que só eu vi que, quando a esquerda brasileira apareceu em fotos se coligando e defendendo velhos assassinos, velhos coronéis antigos e mumificados em vida, teria um alto preço a pagar? Todo mundo dizendo que era um gesto inteligente e maquiavélico para angariar força parlamentar, que era uma jogada enxadrística de gênio. E agora, colhemos o fruto, pela razão que é a mais antiga e menos acadêmica e erudita das razões: a de que a moral, quando muito afrontada, traz o desgaste irreversível de toda profunda corrupção mantida e sacralizada como coisa comum, como coisa simpática e inofensiva. A esquerda brasileira esqueceu ou fingiu esquecer que o fundamento da existência da matriz da qual deriva é puramente moral, e que, a exemplo de todas as outras pragmatizações da grande teoria comunista, que deram no que deram, destruiu no coração dos povos a fé na esquerda. O Brasil foi o último bastião da esquerda, e teria sido tão fácil ganhar. Bastava o populismo efetivo que vinha sendo feito, bastava os 10% de praxe da corrupção onipresente, ou talvez 20% (ah!! 20% para que o Brasil subisse finalmente ao primeiro mundo seria muito adequado, até justo), desde que não soubéssemos, bastava que o partido não subestimasse tanto a moral e a inteligência dos brasileiros, não apostasse tanto no potencial digestivo de nosso suposto estômago de avestruz, e pronto!! Vinte anos de progresso. Mas não foi assim. Aquela foto com o Sarney (ou aquela foto com Maluf, ou com Collor, ou com gente igual a Edir Macedo) foi o laço da corda no pescoço, o começo do fim. Foi ali que jogaram tudo na lama, esfregaram bosta na cara do povo. Sarney não é um homem comum, deve ser respeitado, foi dito. E ali, estava evidente que a estaca já estava posicionada para ser encravada no coração generoso e cheio de piedosa fé de nós, brasileiros. Aproximaram-se de um velho dragão achando que estavam eles donos da situação, que velhos dragões já estão por demais domados e obsoletos; foram ingênuos, desbragadamente ingênuos e tolos, pois quem estava em dominância era o velho partido, a única entidade realmente poderosa e inexorável da história brasileira dos últimos 40 anos. E eis no que deu. Tristíssimo ver que os anos de suposto progresso, do anestésico feliz do consumo desregrado que nos venderam como emancipação do atraso, acabaram, e voltamos, ou antes, acordamos no mesmo estágio, nos anos de penúria econômica e política da inflação galopante, em que diariamente os telejornais falavam da cotação exorbitante do dólar como uma febre terçã que nos ia consumindo no ápice do termômetro e que nunca dissipava os sintomas e tão pouco assoprava a cura. O velho partido está de volta, e quem está aí para lutar contra ele? Só a carcaça insossa e suspeita da esquerda, a esquerda definitivamente morta do Brasil, por inanição de falta de moral, por coaptação aos demônios astuciosos que mostraram o quanto ela foi tola e manipulável. Basta ver os sinais: crise hídrica e dengue. Crise hídrica e dengue deveria ser a frase na lápide do povo brasileiro. Uma remete à burrice de conseguimos esgotar uma riqueza patrimonial que era invejada no mundo todo, outra à idade medieval em que estamos. Devastados por uma doença anacrônica, como uma cruz metafórica de nosso anacronismo total em todas as hordas. Semana passada eu fui ao supermercado, e 4 funcionários estavam com dengue, visivelmente abatidos. Júnior, o moço do açougue, um grande e atencioso camarada, estava se coçando pela hemorragia tegumentar que é uma das fases da doença, e com febre, TRABALHANDO DE FRENTE A UM REFRIGERADOR GIGANTESCO DE AR. O patrão não deu licença para nenhum deles. Essa é a “vitória” da esquerda nacional. Essa nova lei da terceirização é o início marcial da destruição do que resta de proteção estatal aos pobres e últimos direitos humanitários dessa combalida democracia, e pobres nesse país engloba um campo muito vasto em que estamos mais presente do que imaginamos. Estamos de volta aos anos 80 e 90. Em poucos anos, 3 ou 4, temo, a situação vai estar intolerável. Sem representações, definitivamente sem heróis, definitivamente relegados à solidão em que sempre estivemos. Eduardo Cunha capa da Veja, os mais altos elogios a esse grande estadista. Estamos cercados por inimigos que nos subestimam com razão, porque sempre demos motivos para nos tratarem como homens e mulheres invisíveis. Agora estamos solitários e nus confrontando com nossas mais profundas corrupções, e conscientes de que não temos estatura moral para exigirmos mudanças. É gritante demais a evidência de que voltamos mais burros e submissos, mais alienados: como deixamos que Eles voltassem? Como eles fizeram tudo em nossa cara, e só agora vemos que não vemos nada?

10 comentários:

  1. Ignorarei essa suposta base moral na qual a esquerda está supostamente fundamentada; deixarei de lado ainda a aparente ausência de algo de bom no que não é de esquerda.

    Esses filhos da puta que chegaram ao poder no início do século se compararam até A GETÚLIO, e vemos que na maior parte do Brasil - fora das capitais - a situação do trabalhador é 'igual ou pior'* que à época do Pitoco de Sao Borja. Se a Revolucao de 30 e suas consequências foram mais benéficas que maléficas ao POVO brasileiro (e foram), o mesmo pode se dizer do Getúlio Redivivus e sua invenção? NÃO, obviamente que não. Qual o legado do PT ao POVO? Maior roubo da história deste país, perda da credibilidade de toda e qualquer entidade estatal, desemprego (nem venham com números mágicos), e um montante obsceno de dívidas. Nao bastava serem reféns do estado brasileiro, mas dos bancos nacionais e estrangeiros também. E agora essa terceirização (lembrando que já havia sido permitido, através do Mais Médicos, uma semi-escravidao de cubanos).

    Nao há sequer movimentos organizados em setores vários da sociedade com ímpeto e liderança como nas décadas anteriores a Revolucao - somente os que apoiam essa merda toda.

    A esquerda mais merda, mais burra do mundo essa da América Latina. Liberais cagões mas que, se tivessem poder, rasgariam todo e qualquer direito do trabalhador. Católicos esquerdizados (ou seja, abandonaram Cristo), e os que mantem a fé são incapazes de fazer frente como há mais de sessenta anos; evangélicos ensandecidos pelo material, pelo dinheiro, incapazes de PENSAR, hipnotizados pelo pastor mais gritão próximo de sua casa. Nao há grupo algum capaz de mudar o rumo.

    Falta muita coisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não discordo com você; aliás estamos quase a falar da mesma coisa.

      Mas o fundamento do pensamento de esquerda universal é moralista, Matheus. Daí para a prática, cai a sombra.

      Excluir
  2. Quem passou o texto do Projeto de Lei da Terceirização não foram os partidos tradicionais de esquerda, Mateus.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Coisas que fazem falta: Getúlio, Sindicalismo anarquista, Lacerda, Papas anti-modernismo, Abel, aquele widget que avisa os últimos comentários no blogger.

    ResponderExcluir
  5. Ah, ufa, que bom saber que o partido que comanda o executivo, o maior partido de esquerda da America Latina quica do mundo, que montou uma alianca estrategica para controlar o congresso, nada pode fazer contra isso. Maos atadas. Tadinhos. Perdao, perdao.

    ResponderExcluir
  6. Caramba, por eles estarem em toda parte, temo quando me refiro a isso: como fazer para custear salários, benefícios e aposentadorias desses incontáveis servidores públicos? A conta nunca vai bater! União, Estados e Municípios abarrotados de funcionários com super estabilidade.

    ResponderExcluir
  7. Tudo que sei sobre moral aprendi com o futebol. O nome do autor da frase não sou eu, mas Albert Camus. O futebol é de um complexidade muito mal compreendida pelos que o refutam, e o transformam em metáfora barata e ruim de tudo que é socialmente tosco e sujo. Eu prefiro ver futebol e de lá filtrar questões morais do que me sobrepor a ele e tentar enxergar algo que sem ele fica mais pobre. Esse papo do figurinha de demonizar uma agremiação e imputar-lhe todos os males do país já deu também, né? E esse catastrofismo é por demais seguidor das linhas conservadoras de nossa mídia primarista.

    Na verdade hoje me sinto bem por ter visto ontem 3 belas partidas de futebol, que demonstraram mais uma vez porque nem mesmo o capitalismo pode sepultar no humano seu impulso para a beleza, para a arte. E essa conversa toda me parece coisa de espectadores de tênis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca torci tanto para que você esteja certo.

      Excluir
  8. Ramiro Conceição19 de abril de 2015 00:20

    O que vem a seguir, publiquei antes aqui:

    http://tijolaco.com.br/blog/?p=26345&cpage=1#comment-183050

    Ei-lo, na integra…

    EU ACUSO!
    by Ramiro Conceição

    Sem entrar na polêmica que cerca o “médico” Wilhelm Reich, que propôs a existência da energia vital, que, a meu juízo, nunca foi rigorosamente comprovada; porém, mesmo assim, considerando o “sociólogo” Reich que elaborou o clássico “Psicologia de Massas do Fascismo”, escrito em 1930, portanto, antes da ascensão LEGAL e definitiva de Hitler ao poder; então, me parece ser praticamente impossível não trazer à baila a origem fundamental do fascismo exposta na obra mencionada.

    Ou seja, de acordo com Reich, o fenômeno social do fascismo pode ser definido como “A EXPRESSÃO DA ESTRUTURA IRRACIONAL DO CARÁTER DO HOMEM MÉDIO […]”.

    Em uma dada parte do livro, Reich, respaldado por notícias de jornais, descreve, por exemplo, que o preconceito contra judeus já ocorria cotidianamente na Alemanha. O “sociólogo” chama atenção em sua obra para um fato aparentemente sem importância (farei a citação de memória – não estou, nesse instante, com a obra em mãos): numa dada estação de trem, uma alemã foi humilhada publicamente – colocaram um cartaz em seu pescoço com os seguintes dizeres: “Amante de Judeu!” (ou algo semelhante…).

    Creio que não seja necessário ser nenhum ficcionista para imaginar o nível de impropérios que foram vomitados – pela turba – sobre a inocente mulher que COMETEU O PECADO DE AMAR… O assustador é que coisas tais ocorreram antes de 1933!!!!!!!!!

    Por que estou a relatar isso? Ora, caros leitores desse blog “sujo”, os convido a visitar os comentários dos blogs, dos “limpos” dublês de jornalistas, favoráveis ao impedimento de Dilma… Ora, caros leitores, nunca se viu no Brasil tal proliferação de fariseus, doutos em vilipendiar a Constituição via a interpretação de filigranas jurídicas sempre a favor do golpe…

    Tudo é feito, escrito, bebido, comido e defecado, com o único objetivo de desconstruir o DEMOCRÁTICO RESULTADO LEGAL da eleição de 14.

    Eu – um simples cidadão brasileiro – acuso o PiG e seus pistoleiros de responsabilidade histórica e criminal sobre os cadáveres potenciais gerados em nossas praças “públicas” (tal redundância se deve à essa cópia “redundante”, estúpida, de parte dessa classe média, RANCOROSA, associada à essa INCOMPETENTE elite capitalista à brasileira).

    APOTEOSE
    by Ramiro Conceição

    Se não crês em mim tal qual amigo
    então não me vês, mas um inimigo
    que carregas dentro e que te devora,
    que, a te furtar, está nesse teu agora.

    Amar é não plantar carências…
    Ah, essas farpas da existência!
    Rascunhos são a nossa essência.
    Dos fracassos – se faz ciência.

    Trocar amigos por inimigos
    é do mar, com o mal, roubar o sal
    no escuro d’estrelas embrulhadas.

    Para provar que sou amigo, digo:
    amar é crer… em nossa hipótese
    e às cegas ver a nossa apoteose.


    ResponderExcluir