segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Do porque estamos bem com a Carol Bensimon como romancista: estaríamos pior se ela fosse socióloga



 É verdade que o norte e o nordeste têm temas mais “brasileiros” (ou talvez o que se entenda por “temas brasileiros”). Eles parecem mais fechados em sua cultura, enquanto, no sul, há realmente uma tendência à internacionalização (do Nirvana de Michel Laub às minhas personagens que viveram em Paris e Montreal). Parte disso se explicaria por uma questão econômica: talvez os escritores do sul tenham tido mais oportunidades de sair do país, experiências essas que acabam entrando, de uma maneira ou outra, em sua literatura. A influência da cultura pop internacional, por sua vez, seria explicada por uma falta de marcas regionais? (Carol Bensimon, daqui)

22 comentários:

  1. João Antonio Guerra11 de novembro de 2013 14:28

    Gargalhando, Charlles. Quando vi o texto no blog da Companhia, fiquei esperando pelo seu comentário.

    Pega a Piauí deste mês, Laub falando de Frankfurt: uma prosa melhor e uma preguiça igual configuram duas burrices diferentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fiquei numa preguiça gigantesca de responder qualquer coisa, mas acabou que tem dois comentários lá que dão a devida medida da "pensadora" Bensimon. Postei um comentário só fazendo minhas as palavras desses dois comentaristas.

      Eu pensei, será que a Bensimon só fala besteira? E, como sempre, sua defesa é que "isso é só um blog, escrevi às pressas". Vindo de alguém que vive das palavras, diz muito dela.

      Estou lendo o ensaio do Franzen sobre internet. Tive que parar na quarta coluna, e até agora a única coisa que me motivou foi o título. Falta gás. Mas pode ser que ele venha na metade final.

      Excluir
    2. João Antonio Guerra11 de novembro de 2013 15:08

      Pois o título do ensaio não é o original, Charlles. Li esse ensaio na época que saiu no Guardian ( http://www.theguardian.com/books/2013/sep/13/jonathan-franzen-wrong-modern-world ) e digo que não virá gás nenhum não.

      O Franzen é motivo de certa chacota no jornalismo literário ianque a cada novo ensaio contra o digital. Um de seus ensaios recentes fazia um luto pelo Salman Rushdie, um escritor de quem gostava muito, ter aderido ao twitter, e mais tarde o próprio Salman Rushdie respondeu (pelo twitter) que ele, a Atwood e o Gary Shteyngart usavam twitter sim, muito obrigado.

      Discordo bastante do Franzen, mas acho importantíssimo, para o hoje, que ele continue escrevendo esses ensaios.

      Excluir
  2. João Antonio Guerra11 de novembro de 2013 15:16

    Errata ramiresca: o ensaio que cita o Rushdie "sucumbindo" ao twitter é esse aí mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É neste mesmo. Tinha visto lá.

      Vamos ser sincero_ já tinha lido outro ensaio do Franzen, não me lembro qual, também na Piauí_, mas o Franzen é muito fraco como ensaísta. Esse artigo parece mais uma propaganda truncada do departamento de designer da Apple. Ele começa com uma comparação entre Windows e Apple, na linha de que o produto genuíno é melhor por ser sem disfarces mas que é renegado por sua ausência de fetiche, e substituído pela insuficiente mas suculenta ideia de luxo que vem com os aparelhos do falecido Jobs. Mas para por aí. Nem o menor sinal de Bauman, ou Zizék, ou Baudrillard. Fica só uma inodora reclamação de usuário, e a lembrança de que Liberdade foi um dos piores romances que nos últimos dez anos, junto com A visita cruel do tempo. Talvez nisso a Bensimon finalmente tenha dito algo de valor: todos esses são bem medianos.

      Excluir
    2. João Antonio Guerra12 de novembro de 2013 14:33

      Franzen gamou no Karl Kraus, esse do ensaio. Lançou um livro em que traduz e comenta o austríaco: The Kraus Project. Aparentemente, as previsões apocalípticas do KK caíram para o Franzen como a prova de que suas próprias previsões estão certas; daí manobras estranhas como essa de partir do jogo Alemanha/Paris para Windows/Mac, que é só lermos de novo o trecho do Kraus e veremos que a ode ao Windows não tem nada com o comentário sobre a Alemanha.

      Só que o Franzen é contra algumas malandragens e preguiças modernas, como literatura sendo confundida com mercado literário - confusão que é o berço do middlebrow, hibrow, lowbrow, essas palavrinhas, que nada tem com a obra em si, e sim com o lugar em que ficam nas estantes das livrarias, nas abas dos websites - e tem importância haver gente assim, ainda que umas criaturas barulhentas e caricatas parecidas demais com aqules personagens do Monty Python que se levam a sério com seus silly walks.

      Mas ó: li um livreco de ensaios do Franzen chamado How to be alone, e gostei, não tanto quanto um do Naipaul* que estou terminando agora, mas gostei. Abre com o melhor da coleção: chama-se My father's brain, e é o Franzen partindo do alzheimer de seu pai até o tema da Memória; ele chega a questionar a própria dor que sentimos por esses enfermos, chamando-a vaidade, porque os doentes mesmos na maior parte do tempo não têm consciência de que sofrem. Esse livro vale a leitura. mas este parágrafo não: foi só uma desculpa involuntária pra botar aquele asterisco ali em cima, ele mesmo mais uma desculpa, para mais um parágrafo, este aqui:

      * - O tal livro é Literary Occasions. Nele, tem um ensaio maravilhosos chamado Conrad's Darkness and Mine, e o primeiríssimo parágrafo pinta o Conrad amado pelo pai de Naipaul, o pai que queria ele mesmo ser escritor e não obteve sucesso; para ele, Conrad era the stylist, but more than that, Conrad the late starter, holding out hope. Aí me alembro daqueles seus comentários sobre o Saramago, sobre o seu tardio... Escreva logo livros.

      Excluir
    3. Conheço este ensaio. Tem um outro dele sobre Mailer que é muito bom. Conrad é influência direta de Naipaul.

      Excluir
    4. É... Estou a fazer escola: pelo menos nas erratas!

      (Não existem perguntas idiotas,
      mas... respostas idiotas.)

      Excluir
  3. A primeira frase dela está parcialmente correta (RS, SC e PR são parte da família, mas não aparecem no retrato exportado do Brasil, que é basicamente RJ + BA + NE, ou seja, um NORDESTÃO), mas o resto...

    Desculpa, tchê, não posso explicar direito, pois estou ocupado passando frio em novembro, comendo chimia, cuca e gróstoli, porque aqui é um pedacinho da Europa!!


    * Brasil = Regina Casé + amigos do Exxxquenta.

    ResponderExcluir
  4. bá, mas q horrível. mas ela se entregou, teoria da sangria. digo, a sangria foi q entregou a guria. nunca li nada q preste dela (tbm não fui atrás). creio q o milton meio q se enamorou em algum nível, só pode. outro dia ela escreveu uma crônica na zero hora q deu grande polêmica por aqui, brincando com os estereótipos da classe média - senso comum profundo.
    agora parece ter isso de q RIR DE SI MESMO (q nós sabemos o qto é bom, charlles) é só uma maneira de defender-se, de RIR ANTES QUE OS OUTROS RIAM DE MIM - algo assim. Mas não é o riso verdadeiro. Um humor superficial, portanto - claramente de quem se preocupa mesmo é com a imagem de si. ("meus personagens que viajam a paris e montreal", what the fuck?, me admira q ela tenha uma coluna na Cia. Quer dizer, não. Esse mau humor está generalizado entre nós (já falei aqui, qdo linkei aquele texto sobre a ironia nos dias de hoje, q a Dani disse q tu não tinha como entender, algo do tipo. Aliás, depois daquele texto do N. fiquei curioso sobre o q a Dani andou dizendo pelo facebook, mas vá procurar por Daniela Campos pra tu ver... wrong search, certamente. / Falando em facebook, e do mesmo modo q acho q dá pra ter uma ideia da potência de um romance da Bensimon só de ler essas coisas q ela escreve por aí, fiquei a fim de ler um tal de José Francisco Botelho, q "conheci" ao ler alguns comentários seus no facebook, até ver q trata-se de um jovem escritor de acá. lançou um romance agora, A árvore q falava aramaico, mas certamente chovo no molhado, pois creio q vi seu nome por aqui no teu blog).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa GERAÇÃO JOVEM da literatura brasileira é bobinha, levianamente irônica por default. Viaja à Paris e Montreal, tem berço, mas adora abraçar - de leve, sem encostar muito - e falar ao que pensam ser o povo, e zombar do que possibilitou suas viagens, cursos no Goethe Institute e Pós numa universidade hype da Europa.

      Cambada de filhos da puta.

      (A vida é foda, só o que falta hoje eu chegar na aula e encontrar um JOVEM ESCRITOR & EDITOR na aula como na semana passada -- mas aquele achei maneiro, fundador da Não Editora e Dublinense).

      Também tentei stalkear (no bom sentido!) o entrave Sra. Campos x Sra. Primª Dama e não deu. Perdemos.

      Excluir
    2. arbo, não conheço esse Botelho. Nesta semana pesquisei sobre um escritor que eu folheei seu livro Quadrilátero com certo interesse há anos, o Adolfo Bool Júnior.

      Excluir
    3. Hahaha. Cês são umas figuras. O Facebook da Dani só serve para ela se comunicar com as avós e as tias. Receitas de bolo e os necessários cute-cutes sem muito interesse externo.

      Excluir
    4. vi agora q o Botelho tbm tem uma coluna no site da Cia. e depois lembrei onde ele me conquistou. só poderia: um texto "sobre" futebol de quem se diz um não-entendedor. vale a pena:
      http://impedimento.org/meu-rito-de-passagem-no-estrela-dalva/

      Excluir
    5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  5. Da nova geração de romancistas brasileiras que se outorgam universais por dar nomes como "pinball" ou coisa que o valha aos seus livros, a Carol Bensimon é a única que eu efetivamente COMERIA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tamo mal de escritoras. Só pode: machinho, hipster blasé, black-power-bahia-axé-makumba-100%-negra-mas-meu-pai-é-branco-though

      (Lola e Feministas não aprovam esses comentários).

      Excluir
    2. Hipster blasé cabe. Mas "machinho"? Não nessa foto, pelo menos. Tenho certeza que o Charlles pegaria. Eu não me esqueço do comentário que ele outrora fez... de que comeria a Dilma Rousseff.

      Excluir
    3. Meu gosto por mulheres é muito pessoal. (Não me lembre desses meus momentos de estranha ambiguidade libidinal-petista.) A Carol é uma moça bonita. Ela tá um charme na foto com a camiseta do Cortázar. Mas não me impressionaria em nenhuma das minhas fases (garota com olheiras, garota amiga-descolada, a loira frágil com ar sereno, a intelectual modestamente segura de estar acima da realidade cotidiana, etc).

      Excluir
    4. Tem outras por aí que são bem "machinho", Luiz.

      Excluir
  6. Autores mediozinhos como a Bensimon já temos para os dias de hoje. Falta aparecer o Escritor Monstro.

    ResponderExcluir
  7. ela tem que viajar muito ainda.

    ResponderExcluir